quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O Noivado da escritora Merari Tavares e de Gregório



Na última semana, recebi a notícia do noivado da escritora Merari tavares, uma fofucha que estará com mais alguns escritores na antologia "Histórias para você dormir" e como é inevitável que entre nós escritores acabe nascendo um laço de amizade e companheirismo, não só ligado ao trabalho mas a vida pessoal também, comentei com ela que noticiaria seu noivado, e me surpreendi em ver as fotos e a perfeita organização do evento.Em um mundo moderno, cheio de pessoas que abominam o romantismo, vi que começa a rolar um resgate de coisas que estavam abandonadas.

Quer casar comigo? Esta frase é aguardada ansiosamente por diversas mulheres no mundo todo. Parece uma frase simples, mas seu significado é forte e muda a vida dos casais para sempre. A resposta para esta pergunta é o resultado de uma decisão importante, que faz parte de uma nova fase para o casal: o noivado.
Durante o período do noivado, o casal anuncia o casamento e planeja cada detalhe da cerimônia religiosa e da recepção.

No Brasil, era costume os noivos apenas anunciarem aos familiares e amigos, porém, a moda de fazer uma grande festa de noivado e comemorar esta decisão agora chegou com força total, mostrando que comemorar a data em grande estilo é uma demonstração de bom gosto e glamour.

Merari Tavares, que deve ter idealizado esta data tantas vezes em sua fértil imaginação de escritora, merece os parabéns, por ter feito uma festa tão bonita ao lado do seu amor,Gregório, e aliás, que este seja um amor eterno.
parabéns aos pombinhos e mil votos de felicidades!

Arrasaram fofys!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Livro A viagem mágica em breve na Áustria




O livro a viagem mágica em breve receberá novas ilustrações e será lançado na Áustria em 2011. Vamos que vamos!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Livro de Izabelle Valladares na feira de Frankfurt


Meu livro Quem disse que só fazemos amor? foi levado a feira de Frankfurt pela escritora Tânia Rodrigues-Peters no mês de outubro de 2010, nesta foto a escritora aparece presenteando um membro da imprensa oficial no stand do Brasil, Tânia é peça fundamental para a publicação do meu livro A viagem mágica de Bia e Dora na Áustria que será em 2011.

Vamos que vamos!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Lançamento Ponte dos sonhos 1

Lançamento do livro Pontes 1 - Um grande sucesso!


Na última sexta deira, dia 24 de setembro foi lançado na Câmara Municipal de Niterói, o livro Ponte dos sonhos 1.
O lançamento foi um grande sucesso, com a presença de vários escritores e de comendadores, e artistas importantes no cenário nacional de letras e artes, além de diversos acadêmicos.
O livro foi entregue pelas mãos do Comendador Marcus Vinícius, em uma solenidade presidida pelo Chanceller De Luna Freire,na qual eu apresentei os escritores e poetas.

Foi um enorme prazer ver artistas da Paraíba, do Maranhão, do Mato Grosso, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Manaus, de Minas Gerais neste evento, o livro ficou lindo e já foi enviado as pessoas que irão entregá-los as editoras na feira de Frankfurt.

Agradeço de coração aos escritores que prestigiaram o evento, a Alda Affonso pelo apoio, ao José Cristiano Félix, que esteve ao meu lado o tempo inteiro, ao Chanceler De Luna Freire, por ter acreditado no meu trabalho.Agradeço a Andresa, da gráfica anjo, pela paciência, por ter que refazer o trabalho inteiro depois de pronto, devido as desistências, sem em momento algum reclamar ou se mostrar soberba ou grosseira, muito pelo contrário, demonstrando carinho em tempo integral ( um verdadeiro anjo!), aos escritores que não participaram desta obra mas que em momento algum deixaram de estar ao meu lado, como a Eunice Routh ( Trissomia 21 e a paola Rodhen, além de alguns outros.Amei conhecer Ana Elizandra, linda e serena como suas poesias, conhecer o talentoso e amoroso Josane Peer, que compareceu, que levou sua música para encantar nossos ouvidos, a esfuziante Jô Mendonça, uma pessoa com uma astral incrível , uma aura maravilhosa, a Ceiça Esch, que já amava sem conhecer, e agora amo mais ainda, ao Mário Rezende e sua esposa, pessoas maravilhosas, a Nath Souza, que apesar de ter organizado o livro Deixa eu te contar? comigo , só nos conhecíamos pela internet, a presença do Adolph Kliemann, que pra mim é a inteligência em pessoa, carismático, doce, a Geiza Araújo, com sua jovialidade associada a determinação, a Dyandreia Portugal, maravilhosa, chiquetosa, artista nata, ao Paulo Roberto Oliveira Caruso, com sua educação, e benignidade, sua alma clara, ao Adalberto Caldas, que mesmo atrasado , conseguiu chegar a tempo de nos presentear com sua compania e seus autógrafos em nossos livros, a Leila Ulmann artistra plástica,poetisa, linda, que esteve presente, enfim são tantos para homenagear que o blog ficaria pequeno.
Agora vamos que vamos, que o pontes 2 está a caminho, quem quiser enviar algum texto até o dia 1º de outubro ainda dá tempo, pois é quando farei a solicitação do ISBN .

Um abração!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Izabelle Valladares e o conde Thyago de Menezes


Recebi do artista Carlos Ribeiro, o convite para integrar o corpo acadêmico da FALASP,que é presidida pelo ilustríssimo Conde Thyago de Menezes, e é claro que aceitei na hora e fiquei muito feliz.
Na foto abaixo, recebo diploma do Conde em março de 2010.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Campanha 1 dia de cultura + saúde de Izabelle Valladares




Hoje visitei o hospital da criança Dr Benigno Augusto de Melo, com o movimento "Um dia de cultura com saúde" esta ação social, eu faço há 3 anos no Inca, (Hospital do câncer no RJ) e desta vez, consegui o apoio da amiga e escritora, além de maravilhosa poetiza Ceiça Esch , que doou alguns de seus trabalhos, e das escritoras Teens, Nathaliê Ferret e Izadora Bridges que me acompanharam e me ajudaram muito, á estas pessoas mais que especiais o meu muito obrigado de coração.
No hospital fui muito bem recebida pela equipe de Psico- pedagogia, muito bem acompanhada pela pedagoga Mônica, que me recebeu muito bem, e me fez o convite para estar apresentando no dia das crianças um pouco do meu outro projeto que se chama "Contando Histórias Contentes" na qual eu conto histórias a estas crianças enfermas e adolescentes me acompanham , com o teatro mudo, é muito legal e interativo, e conseguimos arrancar sorrisos e gargalhadas sinceras em meio há um momento de sofrimento destas crianças.
Abaixo um pouco deste meu trabalho de hoje, tão gratificante e motivador, que nos próximos outros escritores possam estar apoiando... Vamos que vamos!

Escritora Izabelle Valladares na TV cultura



No dia 17/09/2010 ás 23:00 horas vai ao ar o programa de cultura que entrevistará a escritora Izabelle Valladares, sobre seu trabalho de agente literária, e sobre sua ação social um dia de cultura + saúde, que desenvolve em hospitais infantis.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Posse na academia de letras e artes de cabo frio-ARTPOP

Antologia Infantil "Para brincar de ler"



Olá queridos amigos das letras,
Meu nome é Izabelle Valladares e estou abraçando junto á editora Literata este projto de uma antologia de contos infantis com gravuras.
Além do prazer de podermos levar nossa imaginação ao infinito mundo do faz de contas infantil, iremos estar selecionando os contos com carinho e atenção para que se torne uma obra inesquecível!

Aproveitem para participar.Solicitem o regulamento pelo email
antologia@izabellevalladares.com.br
ou escritora@izabellevalladares.com.br (MSN)

domingo, 21 de fevereiro de 2010

PRÓLOGO DO LIVRO


Quem disse que só fazemos amor?
Manual de sobrevivência do homem, na selva da mulher moderna.

(Prólogo)
Bom, vamos começar pelas apresentações:

Chamo-me Yegle, nome difícil de origem grega, o que talvez, tenha me feito uma pessoa também difícil.
Sou brasileira, tenho 33 anos, estado civil: uma incógnita; então prefiro não comentar, pode ser que quando você estiver lendo este livro eu esteja casada, ou solteira, ou recém separada ou recém casada ou simplesmente ENROLADA.

Vamos aos fatos que me levaram a escrever para o sexo oposto ao meu:
Primeiro: Tenho verdadeira admiração pelos homens, acho-os descolados e divertidos
Segundo: Tenho verdadeira admiração pelas mulheres, às acho espertas e donas de si.
Terceiro: percebo que as duas classes não andam se dando bem ultimamente, e isso é um grande problema.
Quarto: Observo que apesar dos homens não serem bobinhos nós mulheres damos banho neles em astúcia e percepção.
Quinto: A qualidade dos homens vem caindo muito em relação á evolução da mulher.
Sou uma pessoa politizada, inteligente, bonita pra uns, mais ou menos pra outros, mas beleza aqui não vem ao caso e sim comportamentos.

Não quero usar este livro para massacrar a imagem feminina junto aos homens...
Nem pensar... Mas tenho muitos amigos homens, que estão por aí solitários e apavorados com a nossa
nova classe de predadoras que surgiu no mercado, e o que é pior... Predadoras profissionais.
Não pensem vocês homens que andamos por aí nos achando o sexo fraco, muito pelo contrário, nos descobrimos o sexo forte e estamos entrando com tudo no jogo do amor...
Se é que podemos acreditar que hoje em dia alguém faça amor...
A modernidade chegou, é verdade, nós mulheres que antes éramos criadas por mães, que foram criadas por mães, submissas e sofredoras, que recebiam um carinhozinho como prêmio de consolação quando seus machos dominantes chegavam em casa, já não aceitamos mais essas condições.
Nossas mães já um pouco mais evoluídas, que nossas avós, descobriram o segredo da pílula anticoncepcional, como se faz um coito interrompido e que sexo oral não engravida, indo mais além, nós mulheres modernas independentemente de sermos donas de casa ou poderosas executivas, demos de cara com a
realidade, temos que trabalhar, para manter a casa ou as mais sortudas, só para ajudar, temos que cuidar dos filhos, não deixá-los se envolver com drogas, escolher um parceiro a nossa altura e ainda por cima ter uma visão religiosa, isso tudo obrigatoriamente, sem contar em se preocupar em ter orgasmos, se possíveis
duplos, ou triplos para as mais privilegiadas,
conseguir mostrar aos nossos parceiros independentemente de serem nossos
maridos ou não, onde fica nosso ponto “g” e conseguir manter uma escova no cabelo por mais de três dias.
Enquanto isso, no reino masculino, os homens que criaram seus pais trabalhavam para alimentar os filhos, queriam roupa lavada e comida na mesa ao chegar em casa,queriam os filhos alfabetizados, alguns chegavam à evolução de querer que os filhos tivessem o segundo grau, e outros raríssimos tinham o sonho quase que impossível de ver os filhos na faculdade, mas
naquela época o estudo ficava em terceiro lugar, afinal, seus pais não o tiveram e criaram uma renca de crianças. Os pais que os criaram também trabalhavam para sustentar os filhos, também queriam roupa lavada, comida na mesa, mulher cheirosa na cama, e que vocês no mínimo concluíssem o segundo grau, é aí
que começa a grande diferença entre os sexos hoje, vocês homens continuaram ao longo dos anos com a mesma criação, ou seja, do mesmo jeitinho que seu avô criou seu pai, seu pai te criou e provavelmente você está criando seu filho, é a mesma forma há décadas, já nós mulheres mudamos e muito a forma de nos relacionar em família, nós fomos obrigadas a evoluir muito
mais do que os homens, lutamos por nossos direitos e
descobrimos que de frágeis não temos nada, que conseguíamos manter casas muitas vezes melhor do que os homens, que os trabalhos que necessitassem de esforço mental tirávamos de letra
e que os trabalhos que necessitassem de esforço físico, sabíamos mandar fazer e que falar de camisinha e anticoncepcional com nossos filhos não era nenhum bicho de sete cabeças.
Percebemos que conseguíamos nos sair bem em praticamente todas as profissões com a diferença que em muitos dias, trabalhamos sangrando.
Ao perceber a fragilidade dos homens com quem convivo, suas inexperiências, dúvidas e fraquezas, descobri que os culpados são os próprios homens, que ensinaram aos seus filhos ,somente o que aprenderam, pesquisei profundamente entre 100 mulheres e reúni um catálogo de perfis femininos, extraído de mulheres com quem convivo, e com quem não convivo, que amo, e que
odeio, sob meu ponto de vista, que, aliás, sempre foi taxado como um ponto de vista masculino.
Então caros amigos e amigas, que este livro não sirva como arma para que vistam uma armadura contra as mulheres e sim, que vocês homens percebam com certa antecedência, qual tipo delas você atura, e qual abomina, e para nós mulheres que certamente nos enquadramos em algum perfil, que possamos dar uma trégua em nossas personalidades autodestrutivas e nos enxerguemos como realmente somos: Fortes nas qualidades,
mas, todavia, porém, contudo, fortes nos defeitos também.

Novidades 2010


Queridos leitores, além de participar de vários concursos por aí, estarei lançando em março o livro de contos e estou com o projeto do Livro Ecstasy- rave fatal para o segundo semestre , que irá invadir as escolas de ensino fundamental e médio com informações sobre overdose e uso de drogas sintéticas,as escolas que tiverem interesse da palestra devem entrar em contato pelo site.www.izabellevalladares.com.br ou por email... Izabellevalladares@hotmail.com.
beijaraços!!!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Contos e lendas que me contaram no Brasil



Este é o único conto de cunho sexual do meu novo livro
"Contos e lendas que me contaram no Brasil"
espero que curtam:


Assédio de quem afinal?



Avenida Paulista, centro de Sampa, lugar movimentado aonde quase ninguém se fala, todo mundo se esbarra e dizem que as pessoas não têm tempo de pensar em amores... Em amores pode até ser, mas se cada escritório daquele falasse... O som que se ouviria naquelas ruas seria outro, sexo, sexo, sexo, sexo.
Em trabalho sempre acontecem situações de proximidade, eu tinha uma amiga e também colega de trabalho que não andava bem com o namorado, na altura eu também tinha terminado uma relação com uma pessoa que foi uma paixão, em suma os dois andávamos em baixa no amor…
Fomos fazer um trabalho de campo, isso implicava um andar com o carro e o outro a pé… Como cavalheiro, resolvi ir eu a pé e ela do carro.
Mas ela decidiu me oferecer uma carona até minha área de trabalho.
Eu estava concentrado em meu trabalho, riando gráficos e estratégias, quando minha amiga me disse o seguinte:
_Hoje faria uma loucura com você.
Pensei comigo... Vai me pagar um almoço.
Ela era uma mulher bonita, grande, coxuda, objeto de desejo de muitos homens no escritório, e pra mim ela repetiu:
_ Hoje faria uma loucura com você.

Levei aquilo na boa, brincadeira de amigos…
Nesse dia o namorado passou para vi-la buscar e ela não quis ir com o namorado, e preferiu regressar para casa comigo. Mais uma vez levei aquilo numa boa imaginando que ela teria tido uma discussão com o namorado…
Isto passou e na sexta à tarde, recebo um telefonema dela, perguntou-me se eu não queria ir passar o Sábado com ela, que o namorado não ira estar.
A casa, naquela altura, era dela e do namorado então eu resolvi, que mal faz ir até lá e fazer-lhe companhia? Estava sozinho mesmo e nada naquele dia iria mudar, aceitei como amigo.
Almoçamos nesse Sábado, ela fez o almoço, bebemos uns copos, e ficamos na conversa e a beber, ela era uma pessoa com um aspecto sério!!! Tinha um ar altivo, e ao mesmo tempo, para quem a conhecia, um ar de gostosa, de boazuda, de quem não deixava assuntos sexuais para depois.
Mas, como os copos são terríveis, (não que alterem nada, só libertam para se fazer o que sóbrios simplesmente desejamos, só que achamos que não devemos fazer, ou seja, os copos não passam de uma desculpa) começamos a falar de sexo!!!!
Claro que a conversa iria parar aí, até porque eu tinha uma enorme curiosidade em relação ao que ela poderia fazer na cama… e ela afinal não brincava quando dizia o que fazia!!!
De repente ela disse-me:
- Vamos para o quarto, lá está mais fresco, o ar condicionado me lembra nosso escritório.
Estávamos no Inverno…
Ela levantou o edredom de estampa de onça, e deitamos por baixo, e como é óbvio tocamo-nos de leve…. Trocamos um daqueles olhares e, opsssss já estava à desgraça feita!!!!
Ela pega-me um quente, molhado, corajoso, beijo na boca….
Mas a maior surpresa foi quando ela integralmente me arrebentou o botão da camisa saltou-me em cima e começou a esfregar-se no meu corpo.
Enquanto isso ela foi abrindo as calças dela, e as minhas.
Depois, afastou-se um pouco e despiu-se toda
Voltou a sentar-se em cima, e de uma vez, foi-se movimentando e rebolando em cima de mim...
O corpo dela era surpreendentemente mais interessante e excitante do que se imaginava quando ela estava vestida!!!
De repente ela para, me olha nos olhos e me diz:
_ o que você sente por mim?
Eu pensei no que responderia... E pateticamente respondi:
_ Respeito.
Ela ficou de pé na cama e me respondeu:
_ É tudo que eu não quero hoje de você, quero que me trates como uma prostituta.

Ela olhava pelo espelho assim como eu e isso dava uma excitação ainda maior.
De repente mandou-me parar e voltou-se pra mim, pediu-me que me amarra-se, e eu deixei, e gostei.
Pediu-me que dessas tapas em sua cara e nádegas.
E eu mais uma vez assim obedeci
Ficamos ali a olhar um para os outros extasiados…
Pensei na reação dos meus amigos de trabalho, se pudessem ver aquela cena que havia se instalado ali, eu, o nerd do escritório, e ela, a mulher concentrada, séria, mas que usava micro calcinhas que era impossível não repará-las, ou imaginá-las.
Pensei que havia feito o melhor dos negócios, que dali em diante, faríamos sexo, na garagem do prédio, nas horas extras, nas happy ours e em todos os momentos de folga.
Mas no dia seguinte ela me cumprimentou secamente e polidamente.
Evitou se dirigir a mim como amigo, e falou apenas assuntos de trabalho.

Acabamos por ficar assim, não nos tocamos mais, não nos sentimos mais, um dia aquilo foi me sufocando e decidi perguntar a ela, se não havia gostado, ela respondeu:
_ Ao contrário, se eu não tivesse gostado repetiria pra tirar a dúvida.
Eu era realmente um tolo, achando que aquela situação se prolongaria,comecei a imaginá-la fazendo sexo com outros homens do escritório e aquilo me matava de ciúmes.
Combinamos que nada disso se saberia no trabalho, mas acabei me abrindo para um amigo, como é óbvio, e assim aconteceu, a fofoca se espalhou, um dia fomos chamados na sala da diretoria, com a seguinte informação que rolava o assunto de assédio sexual de uma das partes.
Ela obviamente negou, e eu indaguei quase que inocentemente:
_ Assédio de quem afinal?
Olhei pra ela, minha vontade era xingá-la, não que tivesse me oferecido algo mais que sexo, mas me maltratara me dando uma noite quente e me largara na sarjeta, para meu desespero, mas reprimi minha vontade e segui em frente, meus pensamentos me traiam, eu olhava pra ela séria e pensava em gritar ao nosso chefe, ela é uma puta na cama, me usou como quis, e nem comigo direito fala mais, ela não só me assediou, mas também me usou sem dó nem piedade, mas a única coisa que fiz foi pedir licença e me retirar.
Continuamos bons Amigos.

A única coisa que mudou foi o fato de á partir desse dia, saber que minha amiga de trabalho era boa de cama, devoradora e eu... Um simples objeto descartável do seu desejo.